A uma semana da desconstrução da Casa do Vapor, fomos à Cova do Vapor para documentar em película todo o ambiente da Casa e da sua envolvente (ver projeto). Do profundo sentimento de partilha e pertença emanado deste local tão especial, surgiu uma série de fotografias que contam a história do ambiente que se vive na Casa do Vapor, e da poesia da localidade que a acolhe. A forma encontrada para partilhar estas fotografias foi a transformação de uma seleção de 12 imagens em postais, impressos artesanalmente com base numa técnica de impressão fotográfica do século XIX, chamada cianotipia, que produz imagens monocromáticas, em tons de azul. O objetivo foi criar uma série de objetos que além da sua funcionalidade artística, pudessem ser utilizados e partilhados, e dessa forma fazer renascer não só as técnicas fotográficas antigas, como a bela tradição de escrever, à mão, uma carta a alguém querido, preservando relações e memórias. A escolha da cianotipia também não foi inocente – tudo neste projeto e neste local sussurra azul – desde a própria casa, até ao mar e o céu que a envolvem.
Os postais do projeto In Blue são impressos artesanalmente, utilizando a cianotipia, uma técnica de impressão fotográfica do século XIX, que produz imagens monocromáticas em tons de azul. Cada cianotipo-postal é único e irrepetível. O projeto Casa do Vapor In Blue é composto por 12 fotografias, separadas em duas séries, da Casa do Vapor e da sua envolvente.
A week from the tearing down of the Casa do Vapor House project, the photographers from Imagerie went to Cova do Vapor (small locality in the south bank of the Tagus river near the Atlantic Ocean, its name translates as “Steam Pit”) to document all the environment around the House and its surroundings on film. From the deep sense of community and belonging emanated from this special place, a series of photographs was born, which tell the story of the atmosphere experienced at the Casa do Vapor House and of the place that harbors it. The way we found to share these images was to handprint them as a series of 12 postcards in cyanotype process.
The goal was to produce a series of objects that besides their artistic purpose, could also be used and shared, preserving both ancient photographic processes and the tradition of handwriting a letter to a loved one, promoting relationships and memories. The choice of the cyanotype process wasn’t innocent - everything about this project and this place whispers the color blue - from the House itself to the sea and the sky that encompass it.
The postcards of the In Blue project are handmade through a photographic process from the 19th century, called cyanotype, which produces monochromatic images in a blue hue. Each postal-cyanotype is unique and unrepeatable.
Back to Top